segunda-feira, 24 de outubro de 2011

O crânio na Bruxaria


"Ao longo da História a humanidade tratou e compreendeu a morte de modos diversos, da relação de maior intimidade (lavando seus mortos, preservando seus corpos, adorando seus ossos) até a total repulsa e negação (como é mais comum em nossos dias). Mas, a bruxaria e outras escolas mágicas sempre manteriam uma estreita afinidade e respeito pela morte, pois representa para nós a passagem deste mundo de sonho para o Outro Mundo, onde habitam os Antigos e onde encontramos a verdadeira Sabedoria.
Os ossos, e em especial, o crânio é elemento muito comum e importante nos altares de bruxaria.




Nos diz Evan John Jones, em seu livroSacred mask, sacred dances:

"...a Estaca expressa o conceito da Deusa, do Deus Chifrudo e da Criança Chifruda. Quando a Taça é colocada no lado esquerdo da Estaca, simboliza a Deusa e os Mistérios Femininos .Colocada a faca no lado direito, representa o Velho Deus Chifrudo. Remova a faca e substitua-o pelo crânio e ossos cruzados. E aí torna-se o símbolo da total transformação no ciclo da morte e ressureição. Também significa a transformação do não iniciado em bruxo, que em efeito significa a morte de uma vida passada e o início de uma nova como seguidor da Velha Religião. Retire a caveira e os ossos e substitua-os pela foice e você tem o símbolo da morrente Criança Divina sobre a Cruz Tau do carvalho Kern, voluntariamente se sacrificando para os Velhos Deuses deixarem o Jovem Rei reinar".

Já para Gerald Gardner:

"... quando o Deus não estava presente, ele era representado por uma caveira e ossos cruzados. A morte e o que está além. A Sacerdotisa de pé com os braços cruzados representa a caveira com os ossos em cruz. Abre seus braços em posição de pentagrama, que significa regeneração".

Alex Sanders também devia saber muito bem disso.

Além do que já foi dito, o crânio é também o canal para o fortalecimento e contato com a "companhia oculta", ou seja, um local onde o espírito de uma bruxa(o) morta(o) possa "habitar" quando chamado a aconselhar e inspirar o clã. Para isso, existem ritos próprios em cada Tradição ou Escola de Mistérios."
(fonte: Casa Bruxal)