terça-feira, 22 de novembro de 2011

LUA NEGRA DA TRANSMUTAÇÃO

Esta fase lunar ocorre mensalmente, nos três dias anteriores a lua nova.
 É quando o disco da lua minguante, fino, diminui até desaparecer,
 mostrando a verdadeira face oculta da lua. 
Os povos antigos nesta época reverenciavam as Deusas Escuras e 
dedicavam-se a rituais divinatórios, de cura e transmutação. 
Quando as sociedades patriarcais começaram a imperar não 
compreendiam “ o desaparecimento da lua” e começaram a surgir
 lendas e superstições sobre demônios ou forças malignas que 
comiam a lua. Assim, acreditavam que a Lua Negra representava 
poderes destrutivos, tempestades, secas, guerras, doenças, momento 
em que os fantasmas e espíritos maus vinham a Terra e quando as
 “ bruxas “ executavam rituais de magia negra. Achavam, também, 
que neste momento seres do mundo subterrâneo apareceriam em
 forma de serpente ou com serpentes nos cabelos. 
A verdade real é que a Lua Negra facilita acessar mundos e planos 
sutis e as profundezas da mente; é favorável para trabalhos de 
transformação e renovação; para desvendar mistérios e sombras do 
nosso inconsciente; tem o poder de criar e destruir; curar e regenerar;
 descobrir e fluir com o ritmo das mudanças e ciclos naturais; reconhecer
 e integrar nossa sombra.
É comum presenciarmos a transição entre a destruição do velho e a
 criação do novo. É um período favorável para rituais de cura, renovação
 e regeneração. Este processo de transformação destrói padrões 
ultrapassados de condicionamento, comportamento e estruturação, 
liberando-nos do que não serve mais, do que é limitante,
 impedindo nossa expansão. 
Objetivos dos rituais nesta fase:
- remoção de uma maldição, 
- correção de uma disfunção,
- afastamento dos obstáculos ou dificuldades em realizações
 afetivas ou profissionais, 
- limpeza de resíduos energéticos negativos de pessoas, objetos, ambientes,
- preparação e imantação do espelho negro, 
- entrar em contato com ancestrais.
Deusas reverenciadas nesta fase:
- Hécate, 
- Medusa,                                                      
- Kali,                                                        
- Ereshkigal,
- Hel, 
- Sekhmet,
- Sheelah Na Gig, 
- Oyá,
- Cailleach.
Palavras chaves para rituais nesta fase:
- contemplação, 
- finalização,
- dissolução, 
- introspecção, 
- tradição,
- sabedoria, 
- morte, 
- transmutação. 
Elementos ritualísticos para rituais nesta fase:
- velas pretas, para afastar negatividades, 
- velas brancas, para novos inícios, 
- velas vermelhas, para a realização, 
- xale preto, relacionado com a Deusa Anciã,
 reverenciada neste período, 
- galhos e folhagens secas,
- penas pretas, pelo de cachorro ou lobo, 
- teia ou imagem de uma aranha, 
- representação de uma serpente,
- caldeirão, para transmutar as energias negativas, 
- o espelho negro ou bola de cristal,
- o tarô ou as runas para orientação e autoconhecimento, 
- meditação ao som do tambor. 

Na Lua Negra também conhecida como Lua Balsâmica, 
aprenda a se desapegar do velho para abrir espaço para o novo. 
Transforme seus desejos em amor por si próprio (a) e compaixão 
por todos. Liberte-se de sua falsa identidade e busque sua 
verdadeira sabedoria.
Invoque a Deusa da Compaixão e peça-lhe para abençoá-lo (a) com
 a sua luz e seu amor, regenerando sua vida. Dissolvendo as limitações 
de seu ego, para se tornar uma fonte de amor e abundancia para todo o mundo. 

Fonte de pesquisa: O Anuário da Grande Mãe - Mirella Faur


DEUSA HEL (minha versão)