segunda-feira, 31 de outubro de 2011

CARTA DO DIA

Ás de Espadas
Palavras-chave para esta carta: clareza,realidade,retidão,honestidade...
Podemos dizer que é o "pensamento" em ação,já que nesta carta,o
insight é tão grande que pode precipitar ou materializar as coisas.
Costumo dizer que não existe algo mais concreto que o pensamento.
Como um  ás,ele  simboliza o início de algo,o" um "primordial.
O dia nos promete grandes decisões,baseadas na visão clara dos
fatos e em extrema consciência de tudo ao redor.
Aproveite,seja verdadeiro com você mesmo e resolva de uma vez por todas
aquelas pendências que estava protelando...As decisões serão fáceis e rápidas.
Um ótimo dia!

domingo, 30 de outubro de 2011

Mastro de Beltane (maypole)


O mastro de Beltane é o símbolo mais tradicional de Beltane. Ele representa a fertilidade do período correspondente,com a união da Deusa (a Terra) e do Deus (o mastro).
É tradicionalmente utilizado em festivais coletivos e em áreas abertas,pois o mastro é grande,mas seu tamanho é variável. Ele é adornado com uma coroa de flores no pico e diversas fitas coloridas penduradas. Em determinado momento do ritual,cada pessoa pega uma fita e todos rodam em volta do mastro,de forma que no final da dança ele esteja todo “embrulhado”. O sentido dessa prática é mentalizar nossos desejos,fazer pedidos e projetar nosso futuro,pois enquanto entrelaçamos as fitas tecemos a nossa vida.
Se você celebra os rituais sozinho,é claro que você não terá condições de ter um mastro de quatro metros em seu ambiente ritual,mas você pode fazer algo parecido,proporcionalmente menor.
Consiga um galho fino de uma árvore,do tamanho que achar melhor. Consiga também pequenas fitas de cetim das cores que desejar (e que representem os seus pedidos) e algumas flores para colocar na ponta.
Para um mastro tradicional de Beltane,são necessários os seguintes materiais:
- um tronco fino de árvore de dois a quatro metros de altura
- fitas de muitas cores,com mais ou menos 10cm de largura,no número de pessoas que realizarão o ritual
- uma coroa de flores e folhas para colocar no topo do mastro
- pregos,martelo e barbante para fixar as fitas e a coroa no topo
Pregue as fitas em uma das extremidades do tronco,que deverá ser o seu topo. Depois disso,coloque a coroa de flores e folhas sobre as fitas,de modo que tampe os pregos. Para que as fitas não se enrolem até o momento do ritual,prenda-as com um elástico (que deverá ser cortado depois que o mastro já estiver de pé).
Durante a celebração do sabbat,o mastro deverá ser erguido como parte da cerimônia. Em determinado momento do ritual,as mulheres cavam um buraco no solo,onde o mastro será fixado. Enquanto isso os homens dão voltas ao redor do círculo,enquanto todos entoam alegres canções de Beltane. As mulheres colocam o mastro no buraco e cortam os elásticos. Se você estiver fazendo o ritual sozinho,você pode colocá-lo em um vaso com terra ou mesmo segurar na mão,se ele for bem pequeno.
Nesse momento,cada um pega a sua fita e começa a dança em volta do mastro,enquanto a música continua. Quando o entrelaçamento chegar ao fim,todos ajudam a tirar o mastro do buraco na terra e circulam a área ritual cantando e dançando. Realizando o ritual sozinho,você pode entrelaçar as fitas da mesma maneira.
O mastro deve ser levado à fogueira ritual e colocado sobre as chamas. A cerimônia deve continuar com os participantes cantando e dançando em volta da fogueira de Beltane. Se você está celebrando solitariamente,coloque o mastro dentro do caldeirão em chamas e repita o mesmo procedimento do ritual coletivo:cante,dance etc.
(fonte bruxaria.net)

Beltane (Millenium)

Hemisfério Norte (01/05) e Hemisfério Sul (31/10).
A palavra Beltane (Beltaine, Belltaine, Bealtaine, Beltain, Beltine, Bealteine,
Bealtuinn, Boaldyn), significa “fogo luminoso” ou “fogo sagrado” e celebra o começo
do verão, a colheita, e a passagem da estação. Beltane honra a face do Deus Sol Céltico
continental e curandeiro, Belenos.
Beltane é a anglicização da palavra irlandesa Beltaine ou Bealtuinn em escocês.
Enquanto a terminação tene refere-se claramente a fogo, ninguém pode realmente
afirmar que a terminação Bel se refira a Belenus, o Deus pastoral, ou de bel “brilhante”.
É certo que sempre foi uma tradição saltar entre dois fogos de Beltane (fogueiras,
caldeirões ou tochas) para obter boa fortuna, saúde para seu gado e prosperidade.
Quando os Druidas e seu sucessores, nas vésperas de maio, elevavam os fogos
de Beltane nas terras altas ao longo das Ilhas Britânicas, eles estavam executando um
ato real de magia, na intenção de trazer a luz do Sol até a terra. Na Escócia, eram
extintos todos os fogos da casa, e os grandes fogos eram acesos nas matas e florestas.
Era um costume que os homens usassem madeira das nove árvores sagradas. Quando a
madeira estourava nas chamas, proclamava o triunfo da luz sobre a escuridão durante a
metade do ano.
Em Beltane, celebramos o grande amor que dá a vida a tudo. O Deus e a Deusa
estão férteis e apaixonados e de seu amor, tudo, absolutamente tudo, nascerá. O fogo da
paixão embala os corpos dos amantes que, na noite de Beltane, se encontram para
celebrar essa união divina.
Uma das tradições mais belas de Beltane é o MAYPOLE, ou MASTRO DE
FITAS. Um mastro é erguido e se prendem fitas coloridas (cada qual representando um
desejo) que, numa dança ritualística, em alegria, serão trançadas, assim como se trança
o destino. Com essa prática, colocamo-nos sob a proteção dos Deuses.
Era costume entre pagãos do Hemisfério Norte jamais se casarem no mês de
maio, visto que esse mês era dedicado à união do Deus e da Deusa. Talvez
por esse motivo, visando cobrir práticas pagãs, o catolicismo tenha
transformado o mês de maio no mês das noivas.
Beltane é, sem dúvida alguma,um dos Sabbaths mais alegres e significativos dos
Wiccanianos.
Correspondências de Beltane
Frutas e plantas
Amêndoa, angélica, freixo, margarida, olíbano, hera, mal-me-quer.
Frutas e plantas
Alimentos vindos ou derivados do leite, creme de cravo-de-defunto, sorvetes de
baunilha, bolos de aveia.

Biscoitos de aveia de Beltane
1 e ½ xícara de farinha de aveia;
½ xícara de açúcar mascavo;
¾ de uma xícara de manteiga;
1 ovo inteiro;
1 xícara de bananas cortadas em rodelas bem finas;
½ colher (chá) de fermento em pó;
canela em pó (a gosto).
Pré-aqueça o seu forno. Misture o fermento, a farinha e o açúcar marrom até
ficar bem misturado. Deixe descansar por 30 minutos. Junte então a manteiga, o ovo e
64
as frutas. Unte a assadeira e vá depositando porções no tamanho de biscoitos. Asse
durante 15 minutos.

Ritual para Beltane
Preparação:
Altar voltado para o norte e tradicionalmente montado. Deve haver uma grinalda
de flores primaverais sobre ele.
Trace o círculo ritualisticamente.
“Não comentem aos quatro ventos,
Porque os profanos não compreenderiam,
Mas nós estaremos nos bosques todas as noites,
Clamando por boas noticias,
Para mulheres, gado e plantações,
Pois o Sol está vindo do sul
Com o carvalho espantando o cinza.”

Deverá ser procedido o Maypole ou a passagem (pulo) sobre/entre o fogo. Duas
tochas podem ser acesas, formando um portal de purificação.

Deve-se proceder o Grande Rito, com toda a emoção.*

Destraçar o círculo

(Fonte: Wicca _A Bruxaria saindo das sombras)

sábado, 29 de outubro de 2011

CARTA DO DIA

La Maison_ Tarot  Persa Madame Indira


A casa,o lar ...
O palácio de todos nós.
Quando viajamos por mais tempo,mesmo estando em lugares maravilhosos,sentimos falta da nossa casa,do aconchego do nosso canto.É esse sentimento que a caracteriza como  um lugar especial,pode ser simples,abastada,tanto faz.
Esta carta representa os projetos que temos  em relação à  nossa casa: comprar,construir,mudar,reformar.
Sair de casa,se você mora com seus pais...
Aqui a ideia é formar,construir um lar.
Pode também estar significando um novo passo,um casamento,afinal não diz o ditado:"quem casa,quer casa"?
Interessante reparar,que só achei a  imagem desta carta invertida.Observe.
Ela espelha o seu reflexo na água(emoção,inconsciente).  Acredito que para todos nós ,na realidade não importa a  aparência" externa" da casa,ela sempre significará o nosso castelo,pois é  lá que o coração repousa  e encontra acolhida.

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Carta de Hoje

Três de copas
Linda carta,ainda mais numa sexta-feira dia de Vênus...
Momento de alegria,felicidade,comemorações.
Hora de celebrar com amigos,família,pessoas queridas.
Sentimento de colaboração e solidariedade entre as pessoas.
Fartura de sentimentos,o cálice transborda...
Compartilhe com as pessoas  à sua volta a alegria de hoje,
é uma boa forma de "contaminar"  os amigos com energias positivas.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

BOLO DE AVEIA PARA BELTANE



BOLO de AVEIA e NOZES
Numa vasilha misturar
-1 1/2 xícara (chá) de aveia -flocos finos
-1 xícara (chá) de água fervendo
1/2 xícara (chá) de manteiga ou margarina em temperatura ambiente
-1 colher (sopa) de gengibre fresco ralado
-1 colher (chá) de canela em pó
-1 colher (café) de cravo em pó
Mexer bem os ingredientes, formando uma espécie de angú. Reservar.
À parte, na batedeira, misturar:
-2 ovos
-1 xícara (chá) de açúcar branco
-1 xícara (chá) de açúcar mascavo

Juntar o angú de aveia com a mistura da batedeira e adicionar:
-1 xícara (chá) de farinha de trigo
-1/2 xícara (chá) de nozes picadas
-1 colher (chá) de bicarbonato de sodio
-1 colher (sopa) rasa de fermento em pó
Misturar os ingredientes adicionados e levar para assar numa forma redonda, untada com margarina e farinha, em forno pré aquecido médio- alto, por cerca de 40 minutos, ou até que espetando um palito, este saia seco. Decorar com flocos de aveia e nozes.

Hieros Gamos



"O termo “Hieros Gamos” deriva das palavras gregas que significam “casamento sagrado” e tem as suas raízes na Suméria há 5.500 anos atrás.
O ritual Hieros Gamos evoluiu até se tornar uma atividade espiritual altamente desenvolvida, a qual permitia ao homem obter o "conhecimento divino", através da união sexual ritualizada com uma mulher treinada como sacerdotisa.
 Esta teoria é baseada na filosofia de que o homem é, na sua essência, "incompleto" e apenas pode atingir a divindade ao casar com os princípios femininos de um modo espiritual e físico, o que  desperta um estado alterado da consciência no momento do clímax.
A gnose(conhecimento), fisiologicamente falando, seria o orgasmo ou clímax masculino - um breve vácuo mental, uma fração de segundo no qual todos os pensamentos ficam ausentes. Na mitologia, nesse instante de êxtase no qual sua mente ficava totalmente vazia, ele podia ver Deus.
Através de um estudo cuidadoso de passagens bíblicas e a análise sistemática do simbolismo herético medieval, concluiu-se quando Maria Magdala(Madalena) ungiu Jesus no momento que este se sentou para jantar com seu irmão Lázaro, ungiu não só os pés mas também a cabeça.
Pensa-se, que este ato de Maria, foi parte de um rito egípcio relativo a Ísis e Osíris, por meio do qual o rei-sacerdote é ungido pela rainha-sacerdotisa em preparação para o seu ritual de união, o hieros gamos ou casamento sagrado."

CAILLEACH



""Cailleach é a Anciã ancestral da Escócia,também conhecida como a Carline ou Mag-Moullach,representado o aspecto de velha da Deusa no ciclo anual. Esta ligada às trevas e ao frio do inverno e assumiu a direção no ciclo das estações em Samhaim,a véspera de primeiro de novembro. Ela portava um bastão negro do inverno e castigava a terra com frias forças contrativas que ressecavam a vegetação. Com a aproximação do fim do inverno,ela passava o bastão do poder para Brigid,em cujas mãos ele se tornava branco que estimulava a germinação das sementes plantadas na terra negra. As forças expansivas da natureza começavam então a se manifestar.
Por vezes,essas duas deusas eram retratadas em batalha pelo controle da natureza:dizia-se até que Cailleach aprisionava Brigid sob as montanhas no inverno. Mas o melhor modo de vê-las é como duas facetas de uma deusa tríplice das estações:a Velha Cailleach do Inverno,a Donzela Brigid da Primavera e a Deusa-Mãe do viço do Verão e da frutificação do Outono. O nome do último membro dessa trindade não foi preservado na lenda folclórica com o mesmo cuidado. Talvez porque ela representava uma faceta demasiado pagã da Deusa,vinculada demais com a fecundidade e com as forças sexuais da vida. Em um certo sentido,a figura Cailleach-Brigid,pode ser considerada como tendo um paralelo com o mito Deméter-Perséfone dos gregos antigos.
A imagem de Cailleach foi distorçida e hoje ela está representada no vôo da bruxa que aparece na noite de Halloween. Foi caracterizada como uma fada do mal que traz conisgo o inverno e a morte. Apesar de ser perpetuada deste modo terrível,sabemos que neste aspecto de Deusa Anciã,ela está inteiramente realizada em sabedoria e beleza.
Cailleach era tida como uma grande feiticeira e para obter suas bençãos os fazendeiros após as colheitas deviam reverenciá-la. Para tanto,o primeiro fazendeiro que terminasse sua colheita,deveria se ocupar na feitura de uma boneca de palha com os últimos grãos colhidos. A boneca pronta,deveria passar para o segundo granjeiro e assim por diante,até chegar no último. Esse,deveria guardá-la até o dia da celebração do festival de Brigid.
Na Escócia foi chamada originalmente de Caledonia ou a “terra doada por Cailleach”. Para os escoceses,Cailleach era aquela que cujo bastão negro,separava as montanhas,mudava a paisagem,previa o crescimento das ervas e comandava o tempo. Seu nome aqui,pode estar relacionado com a deusa hindu Kali.
Ficou conhecida também,como “Mulher de Pedra”,porque era vista andando e carregando uma cesta cheia de pedras. Ocasionalmente deixava cair algumas,formando círculos de pedras. As montanhas também teriam sido criadas por pedras que a Deusa deixou cair da cesta. Cailleach representava a terra coberta de neve e geada. Era uma Deusa da Transformação e guardiã da semente,que conserva dentro de si a força essencial da vida.
Era a Bruxa do Inverno que voava montada no dorso de um lobo,de um pico de montanha à outro. Seu rosto apresentava uma coloração azul escuro e possuía apenas um olho no centro da testa.Com este único olho,via além da dualidade e reconhecia a unidade de todas as coisas. Esboçava ainda,um sorriso vermelho de dentes de urso selvagem com presas de javali e seu cabelo era feito de um matagal coberto de geada. Vestia uma roupa de cor cinza e uma capa de lã escocesa lhe envolvia os ombros. Quando violentas tempestades se formavam por trás das montanhas,dizia-se que Cailleach preparava-se para lavar sua capa (plaid). Fortes ruídos eram ouvidos por três dias,tempo necessário para que seu caldeirão fervesse e pudesse iniciar a tal lavagem. Sua capa (plaid) representava a Terra. Quando ela ficava branca,a Terra cobria-se de neve. Somente em Samhaim,Cailleach deixava as montanhas e caminhava sobre a Terra. Em seguida,voltava aos afazeres em sua lavanderia.
É um pouco duro trabalhar com a energia de Cailleach,principalmente por sua aparência causar um certo medo. Nas meditações Ela aparece físicamente como descrevi acima. Mas seu poder é muito grande e costuma punir nosso desrespeito para com Ela com inundações e desastres naturais. Se a tratar do modo correto e respeitoso,esta Deusa lhe dará soberania sobre sua vida,pois é considerada uma Deusa Soberana que dava aos reis o direito de governar suas terras. Além disso,Cailleach nos passa um tipo especial de poder e muita confiança. Dizia-se que ela aparecia nas estradas como uma Mulher Anciã que pedia para um herói deitar-se com ela,se ele concordasse,transformava-se em uma linda mulher. Ao beijar a bruxa,ela transformava-se em uma bela fada.
Na história chamada as aventuras dos filhos de Eochaid Mugmedn,cinco irmãos saem para caçar na floresta para provarem que são corajosos. Acabam perdidos e acampam entre as árvores. Acendem uma fogueira e cozinham suas caças para matar a fome. Um dos irmãos é então encarregado de procurar água. Ao chegar perto de um poço,encontra uma bruxa monstruosa guardando-o. Somente lhe fornecerá a água se beijá-la. O rapaz foge correndo e vai contar aos irmãos o ocorrido. Um a um,os irmãos vão até o local do poço,mas acabam fugindo,sem beijar a bruxa,com exceção de Niall que lhe dá um abraço e o beijo que a mulher tanto ansiava. Quando se afasta e a olha novamente,tinha se tornado a mulher mais bonita do mundo. Surpreso,pergunta-lhe a causa para tanta transformação e ela responde:
- “Rei de Tara,eu sou a Deusa Soberana”e continua,”tua semente estará sobre todo o clã”.
Aparecendo em seu aspecto repulsivo,a Deusa podia testar quem deveria ser um verdadeiro rei,um que nunca será enganado pelas aparências e sabe que é nos recantos mais escondidos e obscuros que se encontra os maiores tesouros. Tem que ser ainda,um homem caridoso que submete-se a qualquer tipo de situação,independente da compaixão. Sobretudo,é beijando seu lado escuro,que compreenderá os mistérios da vida e da morte,compreendendo que são dois lados de uma mesma moeda,só assim adquirá sabedoria e capacidade para governar seu reino.
Cailleach estava sempre renovando-se ciclicamente de jovem à mulher madura. Relata-se que tenha tido pelo menos cinqüenta filhos enquanto viveu pela terra. Seus filhos deram origem a tribo de Kerry.
Há muitas histórias sobre a Deusa Cailleach. Conta-se que foi ela que criou as ilhas Hébridas Interiores.
Como Deusa da Tempestade é conhecida como Cailleach Beara,sendo o ser mitológico vivo mais antigo associado à Irlanda. Em uma conversação com Fintn,o Sábio,e o falcão Achill,lhe foi perguntado:
-”É a Senhora àquela que comeu as maçãs no início do mundo?”. Tal pergunta era coerente em virtude das maçãs estarem associadas com a imortalidade e se constituírem o alimento dos Deuses. Cailleach,deste modo,estava ligada íntimamente,as colheitas de maçãs,nabos,assim como:aos corvos,à Lua Escura e ao número 7 (sete). O “Livro de Lecan”nos diz que sete formam seus ciclos de vida,morte e renascimento. Sete é um número sagrado,símbolo da perfeição.
No folclore da Irlanda e da Escócia,era chamado de cailleach o último feixe colhido da plantação. Ele obrigatóriamente deveria ser dado como alimento para os animais domésticos,ou ser enterrado na terra,para que lá permanecesse durante todos os meses do inverno. As moças solteiras temiam serem elas à amarrar este último maço,pois se isso acontecesse,acreditavam que jamais casariam. Na Escócia,há também uma tradição folclórica que envolve amarrar o cailleach (feixe) com uma fita e pendurá-lo no alto da porta principal da casa.
É chamada de Carlin nas planícies da Escócia,Bruza de Baare ou Cailleach Bhuer (Mulher Azul) nas montanhas e Cally na Irlanda do Norte. Suas árvores sagradas são o azevinho e o urze.

Dias de honra a Cailleach:27/02,31/10,10/11,21/11.""

Rosane Volpatto)

Meditação e ritual para Baba Yaga( Lua Nova)


""As divindades da Lua Nova nunca nos procuram; nós é que devemos procurá-las. Este ritual para Baba Yaga deve ser realizado na Lua Negra e é aconselhável ser repetido durante as três noites entre a Lua Negra e a Lua Nova.

Ingredientes necessários para a realização deste ritual:

- uma vela preta (ou outra cor bem escura)
- um pano preto para cobrir a sua cabeça
- música instrumental lenta e pesada, mas agradável
- roupas escuras
- incenso de benjoim

Acenda o incenso e leve-o por toda a sala em sentido anti-horário (o caminho da Lua Nova – o desfazer da matéria formada para que possa ser remodelada). Coloque o incenso sobre o altar.

Acenda a vela preta e leve-a também ao redor da sala, também no sentido anti-horário. Coloque-a novamente no altar.

Apague todas as luzes, deixando acesa apenas a luz da vela. Sente-se diante do altar e cubra a sua cabeça com o pano de modo que você quase não possa enxergar nada no recinto onde se encontra.

Inicie a música. Feche os olhos e permita que seus pensamentos vão além. Relaxe seu corpo. Permita que seus pensamentos mergulhem na sua escuridão interior.

Visualize-se de pé dentro de um túnel mal-iluminado cavado na rocha viva. A trilha pela qual segue está gasta pelos pés dos que o antecederam. As paredes são ásperas e lâmpadas as iluminam a intervalos regulares. Você ouve vozes cantando à distância e move-se naquela direção.

Após muitas curvas e voltas do túnel, você se encontra à entrada de uma vasta caverna. O teto e as paredes distantes estão ocultas pelas sombras. No centro da caverna, um enorme caldeirão, com longas velas alinhadas numa trilha conduzindo a ele. Atrás do caldeirão há um trono esculpido em rocha negra cintilante. Sentada neste trono, uma figura silenciosa trajando uma túnica preta, o rosto oculto pelo capuz. Suas mãos pálidas seguram uma brilhante espada. Um movimento de uma das mãos indica que você deve se aproximar.

Você caminha por entre as fileiras de velas até alcançar o caldeirão. A figura diante de você se ergue e puxa o capuz, revelando o forte rosto. Ondas de imenso poder emanam dessa deidade. Os olhos são fundos poços de escuridão capazes de ver o seu verdadeiro eu. Nada pode ser ocultado dessa deidade da Lua Nova.

Quando for questionado, e decerto o será, você poderá explicar o porquê de sua vinda a este recanto, perante esta poderosa deidade. Explique exatamente o que deseja que seja alterado em sua vida, o que lhe causa insatisfação ou tristeza no estado atual das coisas. Mas não explique como deseja que as mudanças ocorram! Esteja preparado para aceitar quaisquer mudanças que a deidade da Lua Nova apresente.

Preste muita atenção a qualquer coisa que lhe seja dita. Pode ser que lhe peça para entrar no caldeirão. Esta é uma experiência espiritual fortíssima, portanto certifique-se de que está preparado para enfrentá-la. A experiência do caldeirão varia de indivíduo para indivíduo e é extremamente pessoal. Se decidir entrar no caldeirão, a deidade da Lua Nova provavelmente tocará seu coração com a espada, tomará sua mão para lhe ajudar a entrar no caldeirão e em seguida o ajudará a sair.

O que cada pessoa experimenta no caldeirão é completamente diferente. Pode passar por uma iniciação, ter visões do futuro e/ou até mesmo ver seu corpo físico ser destruído até os ossos para em seguida ser reconstruído. Pode reviver velhas experiências, numa exibição forçada para que veja os erros que cometeu e evite cometê-los novamente no futuro. Algumas experiências, como a perda de pessoas e animais queridos, podem ser extremamente emocionais, mas são necessárias. Na maioria das vezes, a sensação de perda é seguida por contato com a pessoa ou animal amado, para mostrar que nada é totalmente destruído ou perdido.

Quando sair do caldeirão e estiver novamente em pé na caverna, diante da divindade da Lua Nova, pode ser apresentado a símbolos ou objetos que terão um significado especial para você. Alguns desses símbolos podem parecer obscuros nessa ocasião, tanto no seu sentido quanto na sua imagem. Apenas aceite-os. A explicação virá mais tarde.

No final, a divindade da Lua Nova o saúda com as sua espada e você se sente espiralando pela escuridão, voltando à consciência física. Você provavelmente estará respirando profundamente quando retornar a este mundo e é possível que você fique um pouco desorientado no início, pois as vibrações da Lua Negra são bastante diferentes das do nosso plano.

Abaixe o pano de seu rosto e olhe ao redor da sala. Pode ser que sinta a presença (ou até mesmo veja) alguns seres de outros planos que estejam junto de você para lhe ajudarem a se orientar. Eles querem prestar auxílio para que você reflita sobre o que aprendeu. Permaneça sentado por mais algum tempo e agradeça à divindade da Lua Negra por sua ajuda.

Preste atenção aos seus sonhos deste dia até a Lua Cheia, anotando todas as impressões e símbolos que aparecerem. As divindades da Lua Negra operam com mudanças drásticas, pois para abrir espaço para o novo, deve-se destruir o velho.

Acima de tudo, você deve estar preparado para aceitar e seguir as mudanças que ocorrerão em sua vida. As mudanças são sempre difíceis, mas à medida que for realizando esse tipo de ritual você aprenderá a ter um senso de ordem mais fortalecido.""
( por Witch Crow e Marcelo Lycan)




MEDITANDO COM A MÃE TERRA


""Abençoado seja o filho da luz que conhece a sua mãe terra,
Pois é ela a doadora da vida.
Sabes que a tua mãe terra está em ti e tu estás nela.
Foi ela que te gerou e te deu a vida,
E te deu este corpo que um dia tu lhe devolverás.
Sabes que o sangue que corre nas tuas veias
Nasceu do sangue de tua mãe terra.
O sangue dela cai das nuvens, jorra do ventre dela
Borbulha nos riachos das montanhas,
Flui abundantemente nos rios das planícies.
Sabes que o ar que respiras nasce da respiração da tua mãe terra,
O alento dela é o azul-celeste das alturas do céu
E os sussurros das folhas da floresta.
Sabes que a dureza dos teus ossos foi criada dos ossos da tua mãe terra,
Sabes que a maciez da tua carne nasceu da carne da tua mãe terra.
A luz dos teus olhos, o alcance dos teus ouvidos
Nasceram das cores e dos sons da tua mãe terra
Que te rodeiam feito as ondas do mar cercando o peixinho
Como o ar tremelicante sustenta o pássaro
Em verdade te digo: tu és um com a tua mãe terra
Ela está em ti e tu estás nela
Dela tu nasceste, nela tu vives e para ela voltarás
Novamente.
Segue, portanto, as suas leis,
Pois teu alento é o alento dela,
Teu sangue o sangue dela,
Teus ossos os ossos dela,
Tua carne a carne dela,
Teus olhos e teus ouvidos são dela também.
Aquele que encontrou a paz na sua mãe terra
Não morrerá jamais.
Conhece esta paz na tua mente.
Deseja esta paz ao teu coração.
Realiza esta paz com o teu corpo.""
(oração dos essênios_Teia de Thea)

CARTAS DE HOJE

Usando ainda o Tarot Persa, tirei duas cartas para a mensagem de hoje e acho que algumas pessoas que conheço(rsrsrs) vão pular de alegria...

                                                   

















A  figura linda e majestosa do pavão,traz na boca uma mensagem.
São boas novas!
Anúncio de boas notícias,novidades da qual sempre estamos à espera.
Pode chegar até você através  de uma carta , um amigo ou até alguém da família.
Acrescentando a próxima carta,este lindo coração,podemos deduzir que as notícias  sejam do campo afetivo,emocional.
Convites para casamentos,aniversários,batizados,festas em geral ou até mesmo(QUEM SABE?) o anúncio da chegada de um novo amor...
Com essas notícias para começar o dia ,quem não se anima,não é?
Bênçãos do Deuses  à todos!!!

livro de visitas



Sign my Guestbook from Bravenet.com
 Get your Free Guestbook from Bravenet.com

terça-feira, 25 de outubro de 2011

CONTATO

Entre em contato através do e-mail
crisdotarot@gmail.com
Agende sua consulta  com antecedência .
Consulta também via Skype.
Maiores informações: (31) 8848-5912

NOVIDADE NO BLOG_ TAROT PERSA DE MADAME INDIRA

 Ganhei este Tarot de uma grande amiga,faz pouco tempo.Ainda estou desvendando seus mistérios...
Apesar de não ser um tarot tradicional,possui cartas lindas e de grande significado simbólico.
Espero que gostem e aproveitem a dica  de hoje:

A PANTERA NEGRA

Sensualidade e perigo estão contidos nesta carta.
Existe uma beleza neste felino quase tão grande como
a ameaça  que representa.
A pantera  está destacada por  um  fundo amarelo  que me faz lembrar dos avisos de perigo.Aqui ela está em  evidência,não está camuflada.
Sorte nossa!
Agir com cautela no dia de hoje,apesar da aparência dócil e bela,
podemos nos deparar com situações arriscadas.Instáveis como o humor deste felino.
Sendo você a "pantera",use da sensualidade e arrisque seu bote
no melhor momento do dia.
A pantera sabe esperar e se esgueirar.
Seus  movimentos são sutis e precisos.
Tenha perspicácia e astúcia  neste dia.
Pise com suavidade...

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

O crânio na Bruxaria


"Ao longo da História a humanidade tratou e compreendeu a morte de modos diversos, da relação de maior intimidade (lavando seus mortos, preservando seus corpos, adorando seus ossos) até a total repulsa e negação (como é mais comum em nossos dias). Mas, a bruxaria e outras escolas mágicas sempre manteriam uma estreita afinidade e respeito pela morte, pois representa para nós a passagem deste mundo de sonho para o Outro Mundo, onde habitam os Antigos e onde encontramos a verdadeira Sabedoria.
Os ossos, e em especial, o crânio é elemento muito comum e importante nos altares de bruxaria.




Nos diz Evan John Jones, em seu livroSacred mask, sacred dances:

"...a Estaca expressa o conceito da Deusa, do Deus Chifrudo e da Criança Chifruda. Quando a Taça é colocada no lado esquerdo da Estaca, simboliza a Deusa e os Mistérios Femininos .Colocada a faca no lado direito, representa o Velho Deus Chifrudo. Remova a faca e substitua-o pelo crânio e ossos cruzados. E aí torna-se o símbolo da total transformação no ciclo da morte e ressureição. Também significa a transformação do não iniciado em bruxo, que em efeito significa a morte de uma vida passada e o início de uma nova como seguidor da Velha Religião. Retire a caveira e os ossos e substitua-os pela foice e você tem o símbolo da morrente Criança Divina sobre a Cruz Tau do carvalho Kern, voluntariamente se sacrificando para os Velhos Deuses deixarem o Jovem Rei reinar".

Já para Gerald Gardner:

"... quando o Deus não estava presente, ele era representado por uma caveira e ossos cruzados. A morte e o que está além. A Sacerdotisa de pé com os braços cruzados representa a caveira com os ossos em cruz. Abre seus braços em posição de pentagrama, que significa regeneração".

Alex Sanders também devia saber muito bem disso.

Além do que já foi dito, o crânio é também o canal para o fortalecimento e contato com a "companhia oculta", ou seja, um local onde o espírito de uma bruxa(o) morta(o) possa "habitar" quando chamado a aconselhar e inspirar o clã. Para isso, existem ritos próprios em cada Tradição ou Escola de Mistérios."
(fonte: Casa Bruxal)


Música Wicca (Português)

A CARGA DA DEUSA





"Ouçam vós as palavras da Grande Mãe, que desde os dias antigos foi chamada entre os homens de Ártemis, Astarte, Dione, Melusine, Aphrodite, Cerridwen, Diana, Arianrhod, Bride e por muitos outros nomes.
"Sempre que vós tiverdes quaisquer necessidades, uma vez ao mês, e melhor seria quando a lua estiver cheia, então vós deveis vos reunir em algum local secreto e adorar o meu espírito, eu que sou a Rainha de todas as bruxarias. Lá vós deveis vos reunir, vós que estais ardorosos para aprender toda a feitiçaria, mas que ainda não aprendeis os seus segredos mais profundos; a estes eu vou ensinar aquilo que ainda é desconhecido. E vós deveis ser livres de toda servidão; e como sinal de que vós sois realmente livres, vós deveis apresentar-vos nus em seus ritos; e vós deveis dançar, cantar, comer, tocar música e fazer amor, tudo em meu louvor."
"Pois meu é o êxtase do espírito e minha é a alegria do mundo; pois a minha lei é o amor para todos os seres. Mantenhais puro vosso mais elevado ideal; empenhai-vos sempre na sua direção; não deixais nada parar-vos ou desviar-vos. Pois minha é a porta secreta que se abre sobre a Terra da Juventude e minha é a taça do vinho da vida e o Caldeirão de Cerridwen, que é o Graal Sagrado da imortalidade. Eu sou a Deusa Graciosa, que dá o presente da alegria para o coração do homem. Sobre a terra eu dou o conhecimento do espírito eterno; e além da morte, eu dou paz e liberdade e vos reuno com aqueles que partiram antes de vós. Eu não peço nada em sacrifício; pois eu sou a Mãe de tudo o que vive e meu amor recai por sobre a terra."
Ouçam vós as palavras da Deusa Estelar. Ela em cuja poeira dos pés estão as hostes do céu e cujo corpo circunda o Universo.
"Eu, que sou a beleza dos campos verdes, a Lua alva entre as estrelas, o mistério das águas e o desejo do coração do homem, chamo pelas vossas almas. Levantem-se e venham à mim. Pois eu sou o alma da natureza, que dá vida ao universo. De mim tudo vêm e a mim tudo deve retornar; e ante a minha face, amada pelos Deuses e pelos homens, deixe teu ser divino mais profundo se envolver pelo êxtase do infinito."
"Deixem meu culto acontecer na terra que se regozija; pois todos os atos de amor e prazer são meus rituais. E portanto deixem que haja beleza e força, poder e compaixão, honra e humildade, júbilo e reverência dentro de vós.
E aqueles que pensam em me procurar, saibam que a vossa busca e vosso anseio devem beneficiar-vos apenas se vós souberdes o mistério; se o que vós procurardes, vós não achardes dentro de vós mesmos, então nunca encontrarão fora. Pois eu tenho estado convosco desde o início e eu sou aquela que é alcançada ao final do desejo."

Por Doreen Valiente, 1957
Tradução: Quíron 

ESBAT

"É comum realizarmos os rituais de plenilúnio em homenagem à uma face da Deusa. Por isso, identifique aquela que mais corresponde às suas necessidades neste momento e componha uma poesia, cântico ou dança em celebração à Ela.


Medite sobre o tema do Esbat que você está realizando e encontre respostas para as suas indagações.
Peça paz, luz, amor, cura e união. Consagre algum objeto como uma corrente, pingente ou anel com o óleo aromático que você mais gostar, pedindo as bênçãos da Deusa e do Deus e use-o diariamente para protegê-lo ou para ajudá-lo a alcançar seus sonhos.
Contemple a Lua, sinta sua energia entrar dentro de você e guarde em seu interior o poder gerado por ela. Esta força será seu combustível e o ajudará chegar até a próxima lunação em harmonia e plenitude total.Cante para a Lua, à ela eleve seus braços e deixe que sua magia promova o seu reencontro com a Grande Mãe."






"Uma prática comum nos rituais de Esbat é o ato de Puxar a Lua Para Baixo onde o poder lunar e da Deusa são atraídos para uma Sacerdotisa ou Bruxa. Isto pode ser realizado em um Coven ou até mesmo pelo praticante solitário. Quando puxamos a Lua, convocamos os poderes mágicos lunares para que entrem em nós e iluminem nossa alma. Esta energia pode ser usada posteriormente para a realização de um feitiço, consagração ou para ser emitida a alguém que precisa de cura.
Em um Esbat realizado num Coven, o ritual de Puxar a Lua para Baixo é uma das experiências mais bonitas e transformadoras onde o Sacerdote invoca o espírito da Deusa para se tornar uno com a Sacerdotisa. Nestes momentos a Sacerdotisa pode declamar a Carga da Deusa ou palavras espontâneas inspiradas representando o poder da Deusa na Terra.


Entre os praticantes Solitários, o ato de Puxar a Lua para Baixo pode ser feito simplesmente visualizando a energia e luz lunar iluminando o nosso ser."


(Wicca na web)

O MITO DA MULHER-ARANHA_XAMANISMO


"A Mulher-Aranha ou Kokyang Wuhti é um ser criativo. Esta entidade sagrada é uma pessoa e muitas ao mesmo tempo. Ela possui todo o conhecimento e está em toda a parte. Pode aparecer como uma jovem, uma velha, ou uma aranha. Pode ser vista ou tornar-se leve como o ar.

É considerada a Mãe de Tudo: "Segundo o mito indígena, o mundo foi criado por ordem do deus-sol. Havia também a Mulher-Aranha, que deu vida ao mundo, criando plantas, animais e finalmente seres humanos da terra e de si mesma." Ela possui poderes divinos e sabedoria ilimitada. Sabe todas as linguagens. Tem acesso profético ao futuro. Kokyang Wuhti é guardiã: ela cuida da proteção e do bem-estar das pessoas necessitadas.

É vista frequentemente como uma velha vigorosa e nunca é representada por ninguém nas cerimônias hopis Por sua associação com a terra, na qual ela vive, ela tem as carcterísticas de uma Deusa da Terra. É velha como tempo, e jovem como a eternidade."



RITUAL DA MULHER ARANHA
"Desenhe no chão um círculo e dentro dele uma teia de aranha. Coloque todos seus instrumentos dentro do círculo. Acrescente velas roxas, uma ametista e essência de violeta. Limpe o círculo, você e o ambiente com uma vassourinha de folhas de mamona e seringueira.
Faça a seguinte Invocação:
"Tecelã das Estrelas,
Seu manto é o Universo.
Esteja comigo, traga-me progresso.
Que eu ande no caminho,
Com a Senhora, não mais sozinho.
Venha a este Círculo hoje.
Compartilhe seu poder,
Ensine-me como eu possa
Melhor minha vida tecer.
SEJA BEM-VINDA!"
Cante então a sílaba "IHU", que significa "O Todo", variando os tons até obter centramento e harmonia. Em seguida, visualize a Aranha Cósmica, tecendo a teia que trouxe a humanidade para Terra. Percorra a grande extensão dessa teia, observando o universo e a ligação intrínseca de todas as coisas. Preste atenção às imagens que surgirem, anote os símbolos e mensagens, para não esquecê-los. Agradeça a Deusa e encerre a visualização. Em agradecimento à Deusa coloque ou plante flores roxas na terra. Celebre seu ritual comendo mel e bebendo água."

( Fonte:  Rosane Volpatto)

Belenus e o Beltane



O deus gaulês Belenus pode ter ou não relação com as celebrações de Beltane – essa é uma questão para a qual os historiadores ainda não têm uma resposta precisa. Da mesma forma, não há comprovação de que ele esteja relacionado ao deus fenício Baal, como se especulava no século XIX. Mas há outros elementos que certamente estão associados a Belenus: a luz, as águas e os grãos.

Belenus (Bel, Belenos, Belinu, Bellinus, Belus) é um deus celta cujo nome gaulês possivelmente significa “brilhante”. Seu culto era muito difundido por toda a Gália, e em Aquae Borvonis (Bourbon-les-bains, nordeste da França) estava relacionado às águas curativas.

A associação de Belenus com o deus romano Apolo indica que Belenus era uma divindade da luz e da cura. O atributo de padroeiro dos grãos fica mais evidente em um santuário de Belenus em Inveresk, na Escócia, que contém a inscrição “Apollini Granno”.

Belenus também pode ter originado o nome da fonte de Bérenton (anteriormente Bélenton) em Brocéliande, na região da Bretanha francesa. Essa fonte ficou famosa como o local de encontro de Merlin e Viviane nas lendas arturianas.

BELTANE (CLAUDINEY PRIETO)


"" É celebrado 31 de outubro no Hemisfério Sul e 01 de maio no Hemisfério Norte. Beltane, que pode ser traduzido literalmente como “Fogo de Bel” e é a celebração máxima do fogo. Esta era a festa que celebrava o meio da Primavera e preparação para a chegada do Verão e consequentemente da fertilidade esperada para o próximo ano.
Neste Sabbat eram escolhidos um homem e uma mulher para representar a Senhora e o Senhor da Primavera, em alusão a Deusa e ao Deus. O gado e as pessoas passavam pelo fogo para serem purificados, ao mesmo tempo em que a fumaça assegurava a fertilidade e bênçãos. Neste período o Deus atinge a força e a maturidade para se unir à Deusa e juntos trazem calor, luz e germinação às sementes da terra que serão colhidas em Lammas.
É tempo de celebrar a vida em todas as formas. É o momento de dar boas-vindas ao Verão, momento de equilíbrio, no qual nos despedimos das chuvas e as colinas e vegetações atingem tons dourados.
A Deusa e o Deus, estão em plena vitalidade e amam-se com toda intensidade. É o momento da união entre os princípios masculino e feminino da criação, a união dos meios e de todos os poderes que trazem a vida à todas as coisas.
Um dos símbolos mais conhecido associado a este Sabbat é o Mastro de Beltane, que representa o falo do Deus. Ele sempre é ornado com uma fitas e uma coroa de flores, que representa o ventre da Deusa. As fitas multicoloridas são entrelaçadas pelos participantes, umas nas outras, até que todo o mastro esteja revestido por elas, representando a união da Deusa e do Deus. Outra das Tradições deste Sabbat é colher 9 gravetos de árvores diferentes e enfeitá-los com lindas fitas e flores, queimando-o no fogo enquanto fazemos um
pedido.

TEMA DO SABBAT:
Beltane é um tempo para celebrar a nova vida em todas suas formas. É o tempo quando a Deusa e Deus estão unidos em matrimônio sagrado e quando sua relação se consome. Este ato representa a fertilidade dos animais e as colheitas para o próximo ano. Você pode decorar seu altar com uma tigela de flores flutuantes ou velas flutuantes. Pétalas de flor podem ser espalhadas pelo chão. Um ato ritual comum neste Sabbat é o Grande Rito. É o simbolismo da união entre os princípios masculino e feminino da criação, a união das duas forças que trazem vida a todas coisas. Este ritual geralmente é executado mergulhando um athame em um cálice ou caldeirão pequeno com vinho. Bel é um antigo Deus celta do sol.

RITUAL DE BELTANE:
Material necessário:
1 guirlanda com folhagens e flores
8 velas verdes
cálice do altar com vinho
Athame
Frutas de todas as cores
1 Pacote de Beltane, com nove galhos colhidos de lugares diferentes
álcool de cereais

PROCEDIMENTO: Coloque o cálice ao meio do altar, circunde-o com as 8 velas, verdes. Enfeite o seu altar com as frutas, de forma que ele fique bem colorido e alegre. Trace o seu círculo e então diga.
“Hoje chamamos a Deusa e o Deus para que fecundem toda a Terra e para que os campos, gados, homens e mulheres sejam férteis”
Acenda as velas e ao acender cada uma diga:
“Com este fogo sagrado o Inverno se afasta e o Verão se aproxima”
Eleve a guirlanda, dizendo:
“Este é o Círculo sagrado do renascimento o símbolo da união que traz alegria à Terra”
Coloque-a sobre o altar, de forma que o cálice fique no meio do vão da guirlanda.
Acenda o seu caldeirão, enquanto diz:
“Neste caldeirão, brilha a chama de Bel, O fogo da Primavera que chama o Verão. Assim a Roda do Ano gira mais uma vez. Este é o fogo de Beltane.Que ele traga alegria e paz”

Coloque o seu pacote de Beltane no fogo do caldeirão, dizendo:
“Com estas 9 madeiras sagradas eu chamo o Verão para trazer felicidade à Terra e riqueza ao mundo”
Pule o caldeirão, pedindo pela purificação e fazendo um pedido. Segure suo cálice com a mão esquerda e o athame na mão direita. Eleve-os, dizendo:
“Mãe e Pai eternamente representados aqui pelo cálice e athame, Eu uno o masculino e o feminino para que a Terra seja fertilizada. Que a união da Deusa e do Deus possa sustentar a Terra”
Mergulhe a lâmina do athame no vinho. Beba um pouco e faça uma libação em homenagem aos Deuses. Coma uma fruta e faça seus pedidos mentalmente. Dance e cante em honra à Deusa e ao Deus.
Destrace o Círculo."" (Wicca para todos)



BELTANE ( MIRELLA FAUR )

""Beltane e seu oposto Samhain eram os dois maiores festivais da tradição celta, marcando o inicio do verão e do inverno e representando o casamento sagrado da Deusa e do Deus, a união do Céu e da Terra. Os Fogos de Beltane e o Mastro de Maio (May Pole) celebravam a abundância da terra com o inicio do verão. A Deusa e o Deus alcançaram o auge de sua vitalidade e vigor. O calor do Sol e a exuberância da natureza festejam sua paixão, culminando no Casamento Sagrado da Deusa da Terra com o Deus Verde da Vegetação, personificados em seus representantes: o Rei e a Sacerdotisa.
Apesar de ter sido celebrado por vários povos antigos com outros nomes, como os festejos de Florália e Bacanália, a Festa de Bona Dea e a Noite de Walpurgis, o atual nome deste Sabbat é relacionado a Bel, o deus celta do fogo e da luz.
Os celtas acreditavam que este festival era regido pelo Povo das Fadas, ajudantes da Mãe Terra em sua tarefa de florescer e frutificar. O símbolo principal de Beltane era o Mastro; ao seu redor, os casais dançavam, trançando fitas vermelhas e brancas.
A simbologia e bem evidente: o símbolo fálico fertilizando o ventre da terra e as pessoas vivenciando, nos campos e nos bosques, a energia do amor sexual. Os casais pulavam sobre as fogueiras para atrair a boa sorte, a fertilidade ou a abundância, Homenageavam-se os representantes do Deus - o melhor dançarino - e da Deusa - a mais bonita das mulheres presentes, eleita a Rainha.
Inúmeros encantamentos para a cura, amor e a prosperidade eram feitos nesta noite, colhendo-se e utilizando-se plantas sagradas como o espinheiro branco e preto e o salgueiro, purificando-se os campos e os animais, Deixavam-se oferendas para o Povo das Fadas, pedindo-lhes a abertura da visão sutil e o conhecimento do uso magico das ervas e pedras. A atmosfera deste Sabbat e de excitação celebração da sexualidade e da fertilidade, conscientização dos impulsos e das reais necessidades, harmonização e complementação dos opostos.
Nos círculos de mulheres, comemora-se o florescimento da Terra, o despertar de Perséfone para o amor, a ativação da energia vital e do fogo criador.
As deusas associadas a este Sabbat são  Aeval, Cliodhna, Fand, Grainne, Maeve e Yseult, na Irlanda; Blodewedd e Blatnat, no Pais de Gales; Belisama, na Galia; Marian e Cordelia, na Bretanha; Matronit, na Iberia; Grimhild, Minne e Walburg,"na Alemanha e Freya, Gefjon, Hnoss, Ingeborg, Lofua e Siofn, na Escandinavia. Os deuses correspondentes são Cernunnos, Frey, Fauno e Pan.
Os dois principais temas deste Festival são mito da Mulher Aranha tecendo os fios da criação e o despertar da deusa Donzela para o amor e para a união com o deus Cornífero.
Os elementos ritualísticos deste Sabbat são o Mastro, um tronco de pinheiro onde dançarinos trançam fitas coloridas tradicionalmente vermelhas e brancas, atualmente podendo ser escolhidas em outras cores de acordo com a intenção magica -, as guirlandas de flores e folhagens para os dançarinos, a "dança das fitas" e a fogueira, para purificar-se ou saltar sobre ela. As velas são vermelhas, representando a cor do sangue menstrual e brancas, representando a cor do sêmen. 0 incenso e a essência são de rosas, patchouli, almíscar, melissa, hibisco ou gerânio. No altar, colocam-se flores vermelhas, galhos e folhas de sorveira, sabugueiro, louro e madressilva e um óleo para unção especialmente preparado com óleo de amêndoas e essência de almíscar, mirra, aspérula e sangue de dragão.
Reverenciam-se os Seres da Natureza ofertando-lhes frutas, leite, mel, cristais e contas coloridas, realizando-se encantamentos amorosos enquanto trançam-se fios ou fitas. E uma noite propicia para celebrar uniões. No "Handfasting", o compromisso tradicional durava um ano e um dia, podendo ou não, ao termino deste período, ser renovado ou confirmado. A comemoração e feita com frutas vermelhas (maçãs, morangos, cerejas, melancia e framboesas), pratos com aspargos e champignons, ponche de vinho com frutas, sorvetes e mousses.""


(O anuário da Grande Mãe)

CARTAS DO DIA_pequenos conselhos

ORÁCULO DO PÃO(MAGUI)
Liberação
deixar ir
deixar partir
desprender-se
desfazer-se
desapegar
abençoar tudo que já foi e que não cabe mais
dores,amores,mágoas,vitórias
é entregar ao universo
abrir-se para o novo
deixar a vida acontecer









REI DE PAUS
Energia,vigor,autoridade.
Não há trabalho que não possa ser realizado por este Rei,nem
ele tem medo de enfrentá-lo.
Conquistas,vitórias  após esforço e dedicação.
No plano material,representa ganhos pela atitude arrojada e destemida  de um grande empreendedor.

domingo, 23 de outubro de 2011

A Lenda de Ísis e os Escorpiões





""Eu sou Ísis, senhora da magia, Senhora dos Sortilégios.Saí de minha casa, onde meu irmão, Seth, me havia aprisionado, pois Thot me havia chamado. Thot, o duplamente grande, Thot, o senhor da justiça e da verdade na terra e nos céus. 

Ele me disse, quando o encontrei:
- Venha, ó Ísis, agora é bom escutar: pois há vida para o homem que se deixa guiar pelos sábios conselhos de outrem. Esconde-se tu e teu filho porque ele {Hórus} pode chegar até nossa esfera de poder. Seus membros vão crescer, e também a força dele se fará poderosa, e ele com altivez virá a ascender ao Trono de seu pai, a quem vingará, e a dignidade de governante das duas terras será de novo seu.

Fui-me quando o poderoso Rá descendia de sua gloria para o lado ocidental, e o manto da noite começava a tingir de escuridão o céu. Comigo viajavam sete escorpiões, e seus nomes eram: Tefen e Befen, Mestet e Mestetef, Petet, Tetet e Matet.Atras de mim, vinham Tefen e Befen. Mestet e Mestetef vigiavam meus lados. A minha frente iam Petet, Tetet e Metet, vigiando e protegendo o caminho para que nada pudesse atrasar minha viagem. Eu lhes ordenei em voz alta minhas palavras, e meus comandos atravessaram o vento e eles ouviram: "Não reconheçam a nenhum da terra negra, não saúdem a nenhum das terras vermelhas, não atentem a nenhuma criatura, seja nobre, seja plebéia, mantenham-se com vossas mentes no caminho a ser percorrido."

Então vaguei, defendida pelos escorpiões, pela terra do Egipto. E assim, chegamos a Per-Sui, onde se venera Sobek, o deus crocodilo, e a cidade das Deusas Gêmeas, ali, onde começam os pântanos do Delta do Nilo, onde abundam papiros e os pantaneiros vivem e caçam.

Quando chegamos perto das casas onde vivem os pantaneiros passamos próximos a uma mansão, onde vivia uma abastada mulher, de nome Usert. Ela se achava na porta, e desde muito longe me viu cansada, dolorida e de bom grado eu teria me refeito em sua casa, mas, quando fui falar-lhe, ela fechou a porta, com medo de meus guardiões.

Continuei por meu caminho e encontrei abrigo junto a uma mulher do povo, que me concedeu hospitalidade. Porém, Mestet e Mestetef, Petet, Tetet e Matet e Befen estavam em grande consternação, devido ao tratamento da rica mulher. 

E uniram seu veneno sob o ferrão de Tefen, que se tornou sete vezes mais poderoso. Tefen regressou a casa da rica mulher, Usert, e se esgueirou para dentro. Uma vez lá, com sua picada poderosa ferroou o filhinho de Usert, e um fogo estranho se deflagrou. Não havia água para combatê-lo, e foi o céu que enviou a água, num grande prodígio, pois a estação chuvosa ainda estava longe.

A mulher de nome Usert, que nos havia negado abrigo, chorava, e seu coração estava triste, por que não sabia se seu filhinho seria encontrado com vida ou não. Ela estava vagando pelo povoado, chorando, mas ninguém a acudiu em seu desespero. E o som de suas lamentações chegou a mim, e meu corações se compadeceu da dor dela. Assim, resolvi trazer dos mortos seu menino, livre de toda a culpa, e juntas fomos ao local onde jazia seu filho amado. 

Eu disse a mulher:
- Venha, venha mim! Observa a minha boca que dá a vida, que tem o poder de destruir as criaturas vis, com os dizeres de algumas palavras, que por meu pai me foi dado a conhecer. Sou Sua filha amada, sangue de Seu sangue!
E eu, Ísis, a senhora da magia, cuja voz faz com que se retorne da morte disse em voz alta as Palavras de Poder, as palavras que pode ouvir ainda que na morte, e pus minha mãos sobre o corpo do garotinho a quem devia devolver a vida. Frio e imóvel estava seu corpo, devido ao sete vezes poderoso veneno de Tefen. 

Então pronunciei um sortilégio mágico contra o veneno do Escorpião Tefen:
- Oh, veneno de Tefen, sai desse corpo, e volte a terra!
- Veneno de Befen, não avances, volte a terra!
- Por que eu sou Ísis, a Grande Maga, Senhora dos Sortilégios. Pratico a Alta Magia, e me escutem vos, todos os répteis!
- Caia, veneno de Mestet!
- Decline, veneno de Mestetef!
- Não circule, veneno de Petet e Tetet!
- Não se aproximes das partes vitais, veneno de Matet!
Agora vem o sortilégio contra o veneno, oferecido por Geb à Ísis:
- Não clame aos das terras vermelhas, aponta teu olhar para as nobres senhoras que estão em suas casas até que cheguemos aos lugares onde nos proteger em Jeb, a terra de Buto. O menino viverá, o veneno vai minguar. Como Hórus se fez forte pela intervenção de sua mãe, o que foi ferido se fará forte também.

Então o menino se recuperou, e o fogo provocado na casa foi totalmente extinto, e o céu estava satisfeito com as palavras de Ísis, a Grande Maga. Usert me trouxe algumas jóias e riquezas e os levou a casa da mulher humilde, como recompensa por haver aberto a porta para mim, quando eu, cansada e dolorida pedi pouso, para refazer-me das fadigas.

E agora os homens das suas terras fazem massa de farinha de trigo e sal, depositando-a sobre as feridas infringidas pelo ferrão do escorpião, e logo recitam as Palavras de Poder que eu recitei sobre o filho de Usert quando o sete vezes poderoso veneno de Tefen estava em seu corpo, por que eu sou Ísis, a Grande Maga, Senhora dos Sortilégios.""


*A lenda de Isis e os escorpiões (Egípcia) 
Traduzido e Adaptado por Daniel Vital "Seth" 
Encontrada no site Templo do Conhecimento

SEKHMET



"" É a Deusa egípcia com cabeça de leão e associada a guerra. Para os egípcios o leão era o predador mais feroz de que tinham conhecimento. Ela era vista como a deusa que protegia o Egito nas batalhas. Na mitologia egípcia, o vento quente do deserto era atribuído a sua respiração.
 Sekhmet era representada como uma leoa ou como uma mulher com cabeça de leoa que vestia trajes vermelhos que alguns estudiosos acreditam estar ligado ao sangue. Na capital de Mênfis, Sekhmet era a esposa de Ptah e mãe de Nefertum. Quando a Tríade de Tebas, formada por Amun, sua esposa Mut e seu filho Khonsu começou a ganhar destaque na região, Mut tornou-se associada a Sekhmet.
Sekhmet também é uma divindade solar, muitas vezes considerada um aspecto das deusas Hathor e de Bastet. Ela carrega o disco solar e o Uraeus, que a associa à Wadjet.
Em uma das mitologias egípcias, Rá ordenou a Sekhmet que castigasse a humanidade por causa da desobediência do povo perante os deuses. Sekhmet executou a tarefa com tamanha fúria que o deus Rá precisou embebedá-la com vinho, pela semelhança de sua cor com sangue, para que ela não acabasse exterminando toda a raça humana. Para manter Sekhmet calma, festivais eram celebrados no final da batalha, de modo que a destruição teria chego ao fim.""
(Autor: Lucas Ferreira)